Representantes da Federação Tocantinense de Judô são promovidos a árbitros.

05/06/17 11:07 Foto: Tatiana Neiva

Tocantins tem três novos árbitros promovidos no quadro nacional da CBJ

Durante o último final de semana, na cidade de Anápolis, no Goiás, a Confederação Brasileira de Judô (CBJ) realizou o Exame Nacional de Arbitragem, atividade que avalia os árbitros da modalidade, selecionando os aprovados para o quadro nacional da entidade. Na ocasião, os representantes da Federação de Judô do Estado do Tocantins (Fejet), José Victor Vilardo e Marcus Mesquita foram promovidos de árbitros estaduais para Nacional C; enquanto Elionaiky Pires foi graduado como árbitro Nacional B.

 

Ao todo, são nove as classificações de árbitros na carreira de um judoca, sendo elas Aspirante a Estadual; Estadual; Nacional C; Nacional B; Nacional A; Aspirante a FIJ (Federação Internacional de Judô); FIJ C; FIJ B; e FIJ A. Diretor de Arbitragem da Fejet, o faixa preta 5º Dan e Aspirante a FIJ Luiz Sérgio Papa comemora o desenvolvimento da arbitragem no estado. “Nós batemos um recorde em 2017, incluindo em nosso corpo de arbitragem sete árbitros promovidos em nível nacional, sendo três no Nacional B e quatro no Nacional C. Além destes, já temos outros que se preparam para entrar nesta seleta lista a partir do ano que vem”, conta o Sensei Papa.

 

Ainda de acordo com o Diretor de Arbitragem da Fejet, a qualificação dos árbitros tocantinenses reflete diretamente na qualidade das disputas realizadas no Tocantins. “É importante a nossa arbitragem seguir em evolução, adentrando o cenário nacional e galgando os degraus necessários para elevar a qualidade técnica das competições estaduais, porque esta melhoria no nível de arbitragem acarreta em um menor índice de erros, minimizando as possíveis injustiças durante os campeonatos, fazendo prevalecer o Judô positivo”, explica Sérgio Papa.

 

Árbitros da Fejet


No Tocantins, atualmente, compõem o quadro de arbitragem ativa da Fejet 24 árbitros, sendo um Aspirante a FIJ; três Nacional B; cinco Nacional C; nove Estadual; e seis faixas marrons Aspirantes a Estadual. Outros sete, de diferentes níveis, não têm atuado em eventos oficiais.

 

Segundo o Sensei Sérgio Papa, a seleção dos árbitros é muito criteriosa e exige dedicação constante à função. “A formação do árbitro é difícil e demorada. Primeiro, porque o árbitro de Judô tem que ser faixa preta, o que, por si só, já demanda uma seleção natural muito grande. Por fim, após esta formação, a pessoa tem que se sentir à vontade para se um julgador, assumindo todas as responsabilidades que o cargo exige. Além disto tudo, tem que gostar, e muito, do que faz, se mantendo preparado e em constante atualização”, ressalta o árbitro Aspirante a FIJ.

Compartilhe

RELACIONADAS

Tocantins terá três pilotos na 24ª edição do Rally dos Sertões

Os tocantinenses estão entre os mais de 100 participantes que competirão nas categorias carros, moto

Academia de futebol é inaugurada em Palmas

Ronaldo Academy tem a missão de estimular crianças e adolescentes apaixonados pelo esporte a lutarem

3º Etapa do Circuito MTB Tocantins abre disputa do Campeonato Estadual de Mountain Bike

A largada da prova será às 07h e terá quatro horas de duração em um percurso de aproximadamente 30 k

Deixe seu comentário