Eleição na Assembleia Legislativa e reforma administrativa

Carlesse, ao lado do novo Presidente do TJ Helvécio Cunha e do novo Presidente da Assembleia, Toinho Andrade. Governo passou o rolo compressor

Previsível
O previsto aconteceu e Toinho Andrade (PHS) foi eleito presidente da Assembleia Legislativa.

“Difícil”
Apesar de ter 21 dos 24 votos possíveis ele disse que não foi uma eleição fácil, mas de muita articulação antes da votação.

Carlesse
Andrade recebeu o apoio do Governador Mauro Carlesse, também do PHS, que foi fundamental para a costura do amplo apoio que obteve.

Fraca
Como antecipado pela Folha Capital a operação da Polícia Civil que mirou em Toinho Andrade e Amélio Caires (SD), na véspera da eleição, não surtiu efeito.

Briga
A saída de Cayres da chapa eleita teve mais a ver com a luta por espaço com Eduardo do Dertins (PPS) e Nilton Franco (MDB).

Suspeito
Aliás, a suspeita nos bastidores é que o voto nulo para presidente tenha sido justamente de Cayres, inconformado com a retirada do seu nome.

Humilhante
Luana Ribeiro (PSDB), como previsto, teve apenas o próprio voto. Muito pouco para quem foi presidente da Assembleia durante nove meses.

honroso
Júnior Geo (PROS) que até então não tinha declarado o seu voto e tudo indicava que seria o único a apoiar Luana Ribeiro, resolveu lançar sua própria candidatura à presidência e ganhou... apenas o seu voto.

Reforma
A reforma administrativa realizada pelo Governo do Estado vai ser pauta de intensos debates antes de sua aprovação pelo Legislativo.

Sindicatos
Certamente os sindicatos de servidores vão se opor. Principalmente com relação à suspensão dos benefícios como data base e progressões.

Exonerações
Caso as medidas do Governo sejam adotadas parcialmente ou não surtam o efeito esperado, a Lei de Responsabilidade Fiscal prevê até mesmo a exoneração de servidores efeitivos.

Efetivos
"Não queremos chegar ao ponto de exonerar servidores efetivos, mas se isso for necessário vai ser adotado".

João Neto
A fala do secretário de Comunicação João Neto, demonstra a gravidade do problema financeiro pelo qual passa o Tocantins.

Holofotes
Os sindicatos, que andavam meio de lado e até com problemas financeiros após a reforma trabalhista, devem voltar a ter certo protagonismo no debate político.

Poder
Mas a julgar pelo rolo compressor que o Governo impôs na Assembleia Legislativa, não deve haver dificuldade para votar e aprovar as medidas de austeridade.

Chateados
Muitos palmenses não andam nada satisfeitos com o visual da cidade.

Problemas
Estão reclamando dos buracos, do mato e da falta de cuidados com os jardins.

Motivo
Por outro lado, a equipe da prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) afirma que herdou a prefeitura "quebrada", sem recursos e com dívidas.

Contas
Até mesmo contas de consumo como água, energia elétrica estavam com meses de atraso.

FAÇA SEU COMENTÁRIO