Coronel Carlos Magno: o herói de 2001

Coronel Carlos Magno, comandante geral da PM durante a greve de 2001

Caros leitores, vamos aqui refrescar a memória dos Tocantinenses mais antigos e contar a história para as pessoas que ainda não haviam chegado em Palmas e as que não tinham nascido. Escreverei o que aconteceu no ano de 2001, ano este em que o Governador do Tocantins era Siqueira Campos. Como sempre Siqueira comandou o Tocantins com muita determinação e garra, ademais, no que tange à escolha de seus secretários, Siqueira nunca atendeu a nenhum pedido de Senador, Deputado Federal, Deputado Estadual, Prefeito ou Liderança Política. Sendo assim o Governador nomeou o Coronel Magno para comandar a Polícia Militar do Tocantins, apesar de ser um Coronel novo na idade, Magno já tinha muita experiência, pois comandou a segunda e terceira maiores cidades do Tocantins: Araguaína e Gurupi, respectivamente.

Siqueira acertou na nomeação, pois a Polícia Militar estava bem comandada pelo Coronel. Contudo, nem tudo foi fácil para o mesmo, e um dos maiores desafios de sua vida e carreira foi a greve de 2001 liderada pelo então Sargento Aragão, este bem mais velho na Polícia Militar, onde a viu a oportunidade de liderar uma greve dos policiais para obter sua vitória, pois no pensamento de Aragão, o Comandante da Polícia Militar era um Coronel novo na idade. Diante disso, Aragão não contava com a capacidade e liderança que o Coronel Magno possuía de resolver os maiores problemas com muita paciência, estratégia e muito conhecimento que a própria farda no decorrer de sua vida o ensinou.

A cada dia que passava os grevistas aumentavam a pressão colocando os próprios familiares para enfrentar a Polícia Militar. Os grevistas estavam bem armados, ameaçando a todos, inclusive ameaçaram de invadir o Palácio Araguaia para pressionar ou fazer algo pior com o Governador Siqueira Campos. Contudo o único desejo dos Policiais era reencontrar a paz, que era comandada pelo Coronel Magno.

Em uma atitude que o próprio Aragão ficou surpresa, foi que o Coronel Magno com sua experiência impediu que isso acontecesse, mas Palmas já havia virado um campo de batalha; os grevistas a qualquer momento poderiam acionar o gatilho e todo nós não poderíamos imaginar quantas pessoas poderiam morrer naquele momento. Com isso, os familiares do Coronel Magno estavam sofrendo muitas ameaças de morte.

Magno demonstrou que realmente estava preparado para defender a população do Tocantins afim de evitar que o massacre acontecesse. O coronel não poderia autorizar a troca de tiros, porque se assim o fizesse, estaria contribuindo para o problema e consequentemente muitas pessoas morreriam.

Uma atitude inusitada do Coronel foi a de pedir ajuda para as Forças Armadas. Na ocasião, começaram a chegar os tanques de guerra e soldados armados prontos para o combate. Com essa atitude, os grevistas se recuaram e o Coronel evitou que o maior massacre Tocantinense acontecesse.

As crianças de hoje Coronel, não sabem! Mas se eles acordam e beijam seus pais, se eles pedem sua benção, se eles amam seus pais vivos, devem isso tudo a sua coragem, capacidade, a sua solidariedade ao próximo e por você amar muito o seu estado que é o Tocantins e por honrar a sua farda que é o símbolo de sua pátria.

FAÇA SEU COMENTÁRIO