Nosso estado a um passo do abismo

Governo do Tocantins. Palácio Araguaia.
Caros leitores - Esse colunista mora no estado do Tocantins a 26 anos, quando cheguei em Palmas, no dia 27 de Maio de 1991, eu como a maioria das pessoas que iam chegando, nós tínhamos a certeza de que o Tocantins seria o estado mais promissor do Brasil. Nós, como estávamos certos, tinha tudo pra dar certo: Siqueira Campos governador com punho de aço para mostrar a todos que ele criou o estado do Tocantins para ser o melhor de todas as federações e deu condições para todos trabalharem e crescer junto com o Tocantins. Moisés Avelino comandou o estado com muita determinação, fez de tudo para que o Tocantins pudesse desenvolver o seu potencial. Avelino só não fechou seu mandato com chave de ouro porque deixou muitas famílias em dificuldades, no final de seu mandato não pagou os salários dos servidores públicos foi um erro Moisés Avelino, até hoje o seu mandato é lembrado por essa atitude que a população não esquece. Não vamos escrever sobre todos os governadores que passaram pelo Palácio do Araguaia porque o nosso espaço no jornal não seria suficiente, só para registrar alguns que tiveram mandato tampão, todos contribuíram de uma forma positiva ou negativa, com certeza a negativa prevaleceu. O governador Marcelo Miranda no seu primeiro mandato ficou conhecido como o governador do servidor público, agora no segundo mandato de Marcelo Miranda podemos assegurar que os funcionários públicos tiveram uma grande participação na sua vitória. 
 
 
Todos com a grande expectativa de encontrar novamente o governador do servidor público mas as decepções foram tão grandes que a maioria amarga a sua opção em eleger Marcelo Miranda e o sonho acabou. Hoje a realidade do atual governo é outra: um fator que está preocupando este colunista, foi a entrevista do secretário da Administração Gefferson Oliveira Barros Filho concedido ao Jornal do Tocantins. O secretario afirma que é muito difícil de pagar a folha dos servidores. Olha secretário o mínimo que um governador deve fazer é ter um planejamento dos gastos do Estado para não sacrificar os funcionários que não têm nada a ver com isso. Se o governo não soube planejar os gastos do Estado, os servidores não podem e não devem pagar pelo erro do governo. Outro fator importante que Gefferson Barros disse, que o plano de saúde é inviável para o estado. Olha secretario o plano de saúde existe desde 2007, ele pode ser inviável na sua opinião porque você tem uma vida financeira estável  ganha um ótimo salario, se ficar doente pega um avião e vai consultar no Sírio Libanês. 
 
 
Mas secretário, para os servidores públicos, que na sua maioria são mal remunerados, o plano de saúde é a única opção humana que eles têm para serem atendidos por um médico especialista e realizar seus exames médicos. Agora, Gefferson Barros, é só repensar os descontos feitos nas fichas dos pagamentos para a Unimed, que você vai mudar de ideia e vai ver que o plano de saúde é viável.
 
 
Olha são tantos assuntos, mas o espaço é pouco, mas é só o governo com planejamento, com organização, deixando de fazer politica com o dinheiro público e preocupando com os 139 municípios que a maioria se encontra em estado de calamidade, que todos os concursados vão tomar posse, todos os municípios estariam em melhores condições, com certeza. Tomando essas atitudes o governo levaria o desenvolvimento e o crescimento para todas as cidades e o nosso Estado, que deveria ser a referência para todo o Brasil, esta sendo o contrario, é feito matérias jornalísticas mostrando só assuntos e casos negativos que acontecem em nosso estado, está sendo exibido a nível nacional em todos os canais de tv. 
 
 
Vamos acordar povo tocantinense, esse estado pertence a cada um de vocês, nosso povo não merece isso que está acontecendo com a população e os 139 municípios.
 
 
Caros leitores tirem as suas conclusões, o nosso estado está ou não está à beira do abismo?

FAÇA SEU COMENTÁRIO