Próximo prefeito ou prefeita de Palmas deve ser eleito (a) com apenas 35% dos votos

Wanderlei Barbosa, Cinthia Ribeiro, Raul Filho e Júnior Geo são os mais cotados para a vaga.

Com 176.899 eleitores aptos a votar segundo dados do Tribunal Regional Eleitoral ainda não será em 2020 que Palmas terá um segundo turno na disputa para a prefeitura, uma vez que essa regra é limitada aos municípios com mais de 200 mil eleitores.

Dito isso, é preciso ponderar que o caminho para a Prefeitura está em aberto e existem ao menos quatro candidatos fortes e que já largam na frente em relação aos demais para o pleito de outubro deste ano. Todavia, nenhum deles tem mais de 20% das intenções de voto nas pesquisas de consumo interno feitas até agora, o que aponta para uma disputa acirradíssima, na qual aquele que alcançar a barreira dos 35% de votos será o próximo prefeito ou prefeita de Palmas até 2024.

Wanderlei

O vice-governador Wanderlei Barbosa (PHS), filho do primeiro prefeito de Palmas, Fenelon Barbosa é outro candidato de peso. Não só porque traz consigo o sobrenome de uma das mais tradicionais famílias políticas do Tocantins, como também pela habilidade política e por ser o candidato apoiado pelo Palácio Araguaia, que deve usar toda a pressão da máquina pública em prol de Wanderlei, que já foi ungido pelo governador Mauro Carlesse (DEM) como sendo o nome para a prefeitura de Palmas.

Se aglutinam em torno de Wanderlei diversas forças, inclusive de deputados estaduais, que gostariam de ver Wanderlei prefeito de Palmas e o caminho aberto para que Antônio Andrade (PTB) se torne governador do estado com a eventual renúncia de Mauro Carlesse em 2022 para disputar o senado.

Os maiores problemas para Wanderlei serão a disputa pelos votos dos bairros da zona sul com Raul Filho e uma menor capilaridade no centro e na região norte da cidade, que ele espera resolver com os seus cabos eleitorais.

Cinthia

Cinthia Ribeiro (PSDB) também é um nome de peso, não só por ser a atual prefeita, como também pelos milhões que devem inundar o caixa da prefeitura em 2020, com o empréstimo de mais de R$ 240 milhões, o dinheiro de emendas parlamentares e a sessão onerosa do pré-sal, sem falar no apelo de ser a única mulher prefeita de uma capital brasileira.

Os seus correligionários acreditam que a baixa rejeição dela é uma grande aliada e a partir do momento que ela colocar o bloco na rua terá muito o que mostrar a seu favor. Dona de uma simpatia e eloquência invejáveis ela é o seu melhor cabo eleitoral.

Entretanto, problemas de articulação política estão dificultando o início dos trabalhos em prol da sua candidatura, com uma base eleitoral instável e desavenças internas que atrasaram a arrancada da prefeita em relação a outros candidatos. Mas quem a defende afirma que se tratam de correções de rumo necessárias para que não se retroceda após a largada.

Conquistar o eleitorado do seu ex-aliado Carlos Amastha (PSB) no centro da cidade é o seu maior desafio, mas terá que disputá-los com outros candidatos de menor envergadura, o que pode acabar pulverizando os votos, impedindo a criação de uma massa expressiva de eleitores, tornando a disputa nos bairros da região norte e sul primordial para ela e ainda mais acirrada.

Raul Filho

Raul Filho (sem partido) que já perdeu três eleições municipais em Palmas e venceu outras duas vezes é um nome de peso por ter obras nas áreas de habitação e educação em Palmas, com eleitores localizados principalmente nos bairros mais afastados do centro, como Taquaralto e Aurenys.

No entanto, pesam contra Raul Filho o desprezo com o qual ele tratou o centrou da cidade, deixando ruas esburacadas e jardins sem vida. As denúncias de corrupção no seu mandato também se avolumam, desde esquema com Carlinhos Cachoeira para a coleta de lixo até ciclovias pagas para empresas particulares e construídas pela prefeitura. Mesmo assim, nas eleições de 2016, sem qualquer segurança jurídica ainda obteve 31% dos votos.

Geo

O último nome de peso em relação à prefeitura de Palmas é o deputado estadual Júnior Geo (Pros), que foi vereador em Palmas nas últimas eleições municipais e menos de dois anos depois alçou ao legislativo estadual.

Geo é o forasteiro da política que não se alinha a nenhum clã e sempre teve uma postura independente e em defesa de bandeiras bem definidas desde o início de sua curta trajetória política. Por isso, ele é visto por muitos eleitores como uma alternativa aos políticos tradicionais.

O deputado, no entanto, não parece dispor dos recursos financeiros necessários para alavancar a sua campanha, principalmente nos rincões da cidade, onde os votos ainda são dados de forma muito fisiológica.

Por fora

Correndo por fora para candidatarem-se em Palmas temos alguns nomes que serão responsáveis em grande medida pela divisão dos votos em uma disputa nunca vista na capital, como o vereador Thiago Andrino (PSB), o deputado federal Vicentinho Júnior (PL), o ex-senador Ataídes Oliveira (PSDB), a deputada estadual Vanda Monteiro (PSL), Delegado Hudson (sem partido) e o sindicalista Cleiton Pinheiro (sem partido).

FAÇA SEU COMENTÁRIO